Segunda-feira, 12 de Julho de 2010

O maior susto, a pior tarde e a pior noite

Nunca antes tivera coragem para escrever sobre este assunto. É delicado e pensava não estar a altura para descreve-lo.

Mas quero enterra-lo, por isso achei que a escrita fosse a melhor forma, o papel nunca me decepcionou.

Passava das 18:30, quando no regresso para casa, quase pus a minha vida em risco.

Estava a atravessar uma rua estreita, que nunca antes atravessara, e que me era desconhecida.

Estava cansada e despistada, o teste de física e química tinha-me corrido pessimamente mal.

De repente, atravesso a estrada a correr e... Não preciso de dizer mais nada pois não?

Fico estendida no meio do chão, a tremer de medo e de frio simultaneamente.

Uma multidão cercou-me: a condutora chorava, as pessoas estavam indignadas e só me perguntavam se estava bem.

E eu, com a minha força interior extrema respondia: "- Eu estou bem, não se preocupem."

Como é óbvio, não estava nada bem, não conseguia mexer as pernas, sangrava do nariz, o meu corpo oxilava de dores.

Não quis ser fraca: tentei levantar-me. Mas as forças que tinha, eram inferiores á minha força de vontade: desmaiei e bati com a cabeça.

Só pedia que chamassem o meu namorado e os meus pais. Tinha sede, estava desidratada.

Ouvi o barulho das chaves da minha mãe, ela tinha chegado.

Estava enervada, nervosa, desanimada... Mas quando viu que eu estava pior, consolou-me e disse que eu ia ficar bem.

O meu pai veio a pé, chegou desde o trabalho dele até ao local em 5 minutos.

Nunca tinha visto o meu namorado tão nervoso como naquele dia. Olhava-o e reparava que estava prestes a chorar, e quase que lhe lia os pensamentos: "E se eu a perco?".

A ambulância levou-me para o hospital, contra a minha vontade.

Detesto o ambiente dos hospitais, aquela dor das famílias que se estabelece lá, tudo...

Passadas umas horas, tive alta. Estava cansada, e só queria dormir.

O próprio médico reconheceu que tive muita sorte. Podia ter ficado paraplégica para sempre.

Esta situação aumentou a minha fé, percebi que não estou sozinha, e que tenho um "anjo" protector.

 

 

 

 

 

publicado por Juh às 17:30
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quarta-feira, 7 de Julho de 2010

Excerto #

"Já não havia nada para dizer.

Cobriu o corpo dela com o seu, e ao abraçá-lo ela imaginou-o em todas as suas incarnações: aos cincos anos, ainda loiro; aos onze, a despontar; aos treze, já com mãos de homem. A Lua, de olhos oblíquos, percorria o céu nocturno; e ela inspirou o cheiro da pele dele.

- Amo-te - disse.

Ele beijou-a tão delicadamente que ela pensou se não teria sido imaginação. Recuou ligeiramente, para olhar nos olhos dele.

E depois ouviu-se um tiro."

 

 

 

 

P.S- Estou a adorar o livro! :P

:
publicado por Juh às 23:30
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Blog novo

. Hoje é dia 10/10/10

. A verdade doi

. Felicidade versus insegur...

. O maior susto, a pior tar...

. Excerto #

. Casting

. Promessas

. Exames

. A carta

.arquivos

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds